sábado, 25 de junho de 2016

Sugestões para Tite

Foto: Site Oficial/Napoli
Tite deveria apostar em Allan como novidade para o meio-campo da Seleção Brasileira

Ainda tratando de Seleção Brasileira, a chegada de um novo treinador sempre desperta expectativas. Qual será o time que Tite colocará em campo nas Eliminatórias para a Copa de 2018 a partir de setembro? Aí aquele mais iludido pode dizer: E as Olimpíadas agora em agosto? Isso não interessa em nada. Só a CBF mesmo para priorizar um torneio sub-23 em detrimento de uma competição profissional, como fez ao preferir seu principal jogador, Neymar, nas Olimpíadas do que na Copa América.

Os Jogos Olímpicos serão usados apenas como bandeira política por essa administração nefasta da CBF, com o intuito de amenizar sua situação perante a opinião pública em caso de conquista canarinha. Olimpíadas para o futebol só interessa para não ficar de fora da maior festa do esporte, tanto que não é uma competição do calendário oficial da FIFA e o limite de idade é de 23 anos, com a opção de contar com três atletas acima dessa idade. Isso porque o futebol é o único esporte que tem uma competição que desperta interesse igual ao dos Jogos Olímpicos em todo o planeta, a Copa do Mundo.

E é para o Brasil não ficar fora da Copa do Mundo que Tite foi contratado. Aliás, muito corretamente, Tite não assumirá a equipe nas Olimpíadas - ao contrário do que faria Dunga -, deixando o comando para Rogério Micale, que já vinha fazendo um bom trabalho com a seleção olímpica.

Então vamos ao que interessa. Como ainda não houve uma convocação oficial, não custa nada darmos algumas sugestões ao novo técnico e justificarmos nossas opções:



A dupla de zaga contaria com a volta de Thiago Silva (Paris Saint Germain), injustiçado por Dunga, ao lado de Miranda (Inter de Milão), formando uma dupla experiente e de jogadores respeitados no futebol europeu.

Nas laterais, Fabinho (Monaco) e Marcelo (Real Madrid) são jogadores de grande regularidade por suas equipes. O primeiro, de apenas 22 anos, um jogador em ascensão e o segundo já consagrado e campeoníssimo num dos maiores clubes do mundo.

O meio-campo teria a qualidade de passe de Casemiro (Real Madrid), grande surpresa do campeão europeu na última temporada, e Paulo Henrique Ganso (São Paulo), que vive um grande momento, chegou a ser convocado por Dunga, mas não teve sequer uma chance na Copa América.

O ataque dispensa comentários. William (Chelsea), Neymar (Barcelona) e Douglas Costa (Bayern de Munique), jogadores de muita velocidade, habilidade e talento puro se destacam em seus clubes e são grandes promessas para se consagrarem e disputarem o prêmio de melhor jogador do mundo futuramente. Neymar, inclusive, já chegou na final na eleição de 2015 e pode até chegar este ano dependendo do que fizer no segundo semestre, mas o fato é que enquanto Messi e Cristiano Ronaldo continuarem subindo e quebrando recordes dificilmente alguém conseguirá superá-los.

NOVIDADES:

Foto: Site Oficial/Palmeiras
Fernando Prass (Palmeiras): Com 37 anos, Prass é bastante veterano, é verdade, mas em geral os goleiros conseguem atuar num bom nível até uma idade mais avançada do que os jogadores de linha. No Brasil há goleiros mais jovens, mas nenhum que demonstre tanta confiança ainda. Alisson, titular nos últimos jogos de Dunga, mostrou que ainda não está preparado. Apesar de aparecer na pré-lista para as Olimpíadas como um dos jogadores acima dos 23 anos, Prass ainda não foi convocado para a seleção principal. Além disso, apesar da idade, Prass tem uma regularidade muito grande no gol do Palmeiras e demonstra capacidade de liderança e comprometimento, o que falta hoje na Seleção. Antes tarde do que nunca. E ele merece.





Allan (5) comemora gol contra o Milan com
Jorginho, volante, também brasileiro e muito bom,
nunca lembrado na Seleção Brasileira, mesmo
como fraco Luiz Gustavo de titular. Com dupla
nacionalidade, aceitou defender a Seleção Italiana
(Foto: Site Oficial/Napoli)
Allan (Napoli): para quem não conhece é um jogador que iniciou a carreira nas categorias de base do Vasco da Gama. Com apenas 21 anos se transferiu para a Udinese. Mais um talento que deixou o País cedo demais. Está há quatro temporadas no futebol italiano, três na Udinese e uma no Napoli. Em todas as temporadas foi titular absoluto de suas equipes. No Napoli, deu um passo importante ao disputar o título italiano da última temporada e dar conta do recado num time que foi vice-campeão e só não conquistou o título porque a Juventus teve mais fôlego (com um elenco maior e mais qualificado) para superar uma liga desgastante e competitiva como a italiana. É um jogador com características parecidas às de Paulinho e Elias e que, apesar de marcar menos gols (fez três em 43 jogos na última temporada e cinco desde que chegou à Itália), tem melhor passe e mais poder de marcação e velocidade e, principalmente, vive um momento melhor.



O esquema 4-3-3 favorece a posse de bola no futebol moderno, pois o setor de meio-campo, onde mais acontece a troca de passes, fica sempre abastecido. O sistema de jogo tem ainda a vantagem de ter jogadores que atacam como meias e defendem como volantes, atuando de uma intermediária à outra (no time apresentado esses jogadores seria Allan e Ganso). Allan já atua dessa forma no Napoli e Ganso, apesar de jogar mais à frente no São Paulo, aprimorou sua capacidade de marcação e demonstra a volúpia necessária para jogar de uma intermediária à outra, o que antes não apresentava. O treinador ainda poderia utilizar algumas variações:



Conhecendo o trabalho de Tite, é muito pouco provável que ele utilize o esquema de jogo sugerido (4-3-3), muito menos o 4-4-2 losango (4-3-1-2), pois é um treinador que gosta de compactar muito suas equipes, com linhas de marcação bem próximas, com a preocupação primeiro de não tomar gol para depois fazer. Com o tempo, depois de bem enraizadas na marcação e com um entrosamento maior na transição ofensiva, suas equipes passam também a propor o jogo.

Assim, Tite deverá utilizar o 4-1-4-1 ou o 4-2-3-1, configurações que mais utilizou nos últimos anos, com o 4-4-2 em linha correndo por fora. O 4-1-4-1 também permite a situação favorável ao meio-campo mencionada acima no 4-3-3, mas os pontas são recuados para o meio-campo e ficam mais distantes da área, embora o time ganhe em compactação.

Mas todos os sistemas táticos têm suas vantagens e desvantagens e é preciso que a comissão técnica tenha muita convicção do modelo de jogo e saiba explorar as principais características de cada jogador, preferencialmente contando sempre com variações ao longo de jogo para confundir o adversário.

O treinador também dificilmente utilizará os mesmos jogadores (o esquema tático e a escalação são apenas uma predileção do autor do blog para o onze inicial, mas cada um tem os seus favoritos).

APOSTAS DE TITE

No gol, é de se imaginar que realmente o goleiro seja Fernando Prass, como explicado anteriormente pela pré-convocação para os Jogos Olímpicos.

A zaga de Tite deve ser composta por Thiago Silva e Gil, campeão brasileiro com o técnico em 2015.

Nas laterais, Marcelo realmente deverá ser titular pela esquerda e na direita Fágner, seu titular no Corinthians nos últimos anos, larga na frente de Fabinho. E Daniel Alves? Um grande jogador, mas é preciso testar outras opções, até porque Alves já está com 33 anos e sabe-se lá até quando manterá o mesmo fôlego, ainda mais num momento de readaptação com a transferência do Barcelona para a Juventus, de um futebol mais técnico para um mais físico.

No meio-campo, o único que deve ser titular em comparação ao time do blog é Casemiro. Nas outras vagas também devem entrar jogadores que foram seus comandados. No lugar de Allan, Elias, e na vaga de Ganso, Renato Augusto. Ambos vinham sendo titulares com Dunga e formaram o meio-campo campeão brasileiro de Tite ano passado. Isso pode pesar, embora no caso de Elias, principalmente, sua inferioridade em relação a Allan seja notória no momento. Além disso, não sabemos até que ponto Tite estaria informado sobre Allan ou acompanhando o jogador, já que o calendário brasileiro é muito puxado e não sobra tempo de observação para os treinadores. Paulinho, mais um que já foi peça-chave no time de Tite, corre por fora nessa posição de segundo volante/meia pela direita, apesar de estar no fraquíssimo futebol chinês, assim como Gil e Renato Augusto.

Pelas beiradas, Douglas Costa, ao que tudo indica, é unanimidade e William disputaria uma vaga com Philippe Coutinho, já muito elogiado pelo treinador. Mas não se descartaria também entrada de um centroavante com Neymar sendo deslocado para a ponta esquerda, setor preferido do jogador. O problema são as opções ou a falta delas. Ricardo Oliveira, com uma idade bastante avançada para um jogador de frente (36 anos), que caiu de produção em relação ao ano passado e se contundiu recentemente, é uma incógnita. Jonas, autor de 36 gols pelo Benfica na última temporada também é veterano (32 anos) e não demonstrou a mesma qualidade com a camisa da Seleção. Hulk, ao contrário do que muitos pensam, não é centroavante. Apesar do tamanho, ele sempre jogou aberto pela direita, aproveitando sua força física nas arrancadas e utilizando como principal jogada a forte finalização de perna esquerda cortando para dentro. O tempo de Fred já se foi. Gabigol e Gabriel Jesus são talentosíssimos, mas ainda precisam amadurecer mais. São grandes apostas para o futuro.

PROVÁVEL ESCALAÇÃO DE TITE (4-1-4-1):



Além dos jogadores mencionados até aqui, há outros que seriam boas opções como, por exemplo:
Goleiros: Diego Alves (Valencia), Marcelo Grohe (Grêmio), Victor (Atlético Mineiro)
Laterais-direitos: Danilo (Real Madrid), Mariano (Sevilla)
Laterais-esquerdos: Filipe Luís (Atlético de Madrid), Alex Sandro (Juventus), Alex Telles (Inter de Milão)
Zagueiros: Maicon (São Paulo), Marquinhos (Paris Saint Germain), Pedro Geromel (Grêmio), Felipe (Porto)
Volantes: Fernando (Manchester City), Fernandinho (Manchester City), Hernanes (Juventus), Rafael Carioca (Atlético Mineiro), Thiago Maia (Santos), Wallace (Grêmio), João Schmidt (São Paulo)
Meias: Oscar (Chelsea), Lucas Lima (Santos), Felipe Anderson (Lazio), Rafinha (Barcelona), Giuliano (Grêmio)
Lateral/Volante/Meia/Ponta: Tchê Tchê (Palmeiras)
Atacantes: Lucas (Paris Saint Germain), Luan (Grêmio)

Enfim, independentemente das escolhas de Tite, o fato é que a Seleção Brasileira terá um técnico muito mais competente e preparado e tem tudo para melhorar. Não é uma seleção das melhores que o Brasil já teve, mas tem sim bons jogadores em comparação com outros países e pode render muito mais. Esperemos que a questão política não atrapalhe. Se não dá para colocar a Seleção Brasileira como uma das favoritas se a Copa fosse hoje, também não dá para imaginá-la fora de um Mundial.

OBS: os números colocados nas escalações são apenas ilustrativos

Nenhum comentário:

Postar um comentário