terça-feira, 19 de julho de 2016

O nome da esperança

Gabigol e Gabriel Jesus comemoram gols por suas equipes, cenas frequentes no futebol brasileiro

Os Gabriéis, o Gabigol do Santos e o Jesus do Palmeiras, são as maiores revelações do futebol brasileiro depois de Neymar. Será uma pena vê-los fora de seus clubes, em pleno vapor no Brasileirão, durante as Olimpíadas, mas, por outro lado, muito bom vê-los juntos na seleção - se é que o técnico Rogério Micale colocará ambos entre os titulares.

Pena maior é a CBF não paralisar o Campeonato Brasileiro durante os Jogos Olímpicos, o maior evento esportivo do mundo. Não que seja tão importante assim para o futebol, que como já dissemos várias vezes aqui neste espaço, tem a Copa do Mundo. Mas por causa de desfalcar vários times de seus jogadores mais importantes. Além dos Gabriéis, Fernando Prass (Palmeiras), Thiago Maia (Santos), Zeca (Santos), Luan (Grêmio), Rodrigo Caio (São Paulo), Douglas Santos (Atlético-MG), William (Internacional) e Rodrigo Dourado (Internacional) são alguns dos nomes que ficarão de fora de times importantes.

O importante mesmo é ver como se darão os dois melhores atacantes brasileiros que atuam no futebol local ao lado do maior do Brasil em todo o mundo. Com Douglas Costa fora por contusão, é de se imaginar um ataque com Gabigol, Gabriel Jesus e Neymar. Este último dispensa comentários.

Gabriel Barbosa, ou Gabigol, que ganhou o apelido ainda na base e o motivo dispensa comentários, já realizou 152 jogos e marcou 56 gols com camisa do Santos, média de 0,36 por jogo. Completa 20 anos em 30 de agosto. Estreou na equipe profissional com apenas 16 anos. Privilégio para pouquíssimos jogadores. Nem Neymar com essa idade estava entre os profissionais.

Gabriel Jesus tem 69 jogos e 27 gols pelo alviverde, média de 0,39. Estreou no profissional um ano mais velho que Gabigol, um ano e meio depois, em março de 2015. Fez 19 anos em 3 de abril último.

Neste ano, o atacante do Palmeiras também leva uma ligeira vantagem. Gabigol marcou 14 gols em 31 partidas, média de 0,45. Jesus fez 19 gols em 32 jogos, média de 0,59. No Brasileiro, o santista jogou 10 partidas e marcou 5 gols, média de 0,5 enquanto o palmeirense, artilheiro do campeonato, fez 10 gols em 14 jogos, uma média de 0,71.

Gabigol é mais experiente e está mais preparado para jogar na Europa. Tanto que pode ter realizado seu último jogo com a camisa 10 do clube da Baixada, que um dia foi de Pelé, sábado, contra a Ponte Preta, quando após marcar beijou o símbolo do clube e venerou a torcida. Vai para as Olimpíadas com sondagens ou propostas de clubes como Chelsea, Borussia Dortmund, Atlético de Madrid e Juventus debaixo do braço. Será difícil recusar. Ele próprio já admitiu o sonho de jogar no Velho Mundo, que no futebol apresenta sempre o que há de mais novo e melhor.

Gabriel Jesus é um jogador ainda em formação. Mas é mais talentoso. Mesmo ainda ser ter atingido sua completa evolução é cobiçado pelos gigantes Real Madrid, Barcelona, Juventus, Bayern entre outros que já perceberam isso. Mas já deixou claro que pretende, e precisa, ficar mais um tempo no Brasil.

De qualquer forma, não se trata de comparar e apontar quem é melhor. Apenas enaltecer a qualidade de ambos e a coincidência de terem praticamente a mesma idade e o mesmo nome:

Gabriel, o nome da esperança.



Nenhum comentário:

Postar um comentário