segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Uma obrigação cumprida

A conquista da medalha de ouro pela Seleção Brasileira não foi mais do que obrigação. Por mais "azeda" que possa parecer, a afirmativa se comprova por uma série de motivos, entre os quais:

1. Das grandes seleções, a do Brasil foi a única que não mediu esforços para ter os principais jogadores até os 23 anos mais três acima da "idade olímpica", embora atletas que seriam convocados, independente da idade, não foram liberados por seus clubes - casos do lateral-direito Fabinho e do zagueiro Thiago Silva - ou se contundiram, como o goleiro Fernando Prass e o ponta Douglas Costa. Mesmo assim, o mais importante, Neymar, estava lá.

2. A única seleção de renome que tinha seu principal jogador era a brasileira.

3. Logicamente, ao mesmo tempo em que a Seleção Brasileira foi a única que não mediu esforços para ter o melhor time, as demais não fizeram tanto. Inclusive a alemã. Mesmo assim o Brasil só ganhou dos germânicos nos pênaltis. Ou seja, as outras seleções deram a importância que têm os Jogos Olímpicos para o futebol: pouca.

4. Depois do fiasco da última competição disputada em casa, a Copa do Mundo, a seleção precisava resgatar pelo menos parte da auto-estima do torcedor, ainda que não fosse a seleção principal e vencer um torneio em terras nacionais e inédito.

5. O maior destaque de mídia e as melhores premiações eram da Seleção Brasileira em comparação aos adversários. Nem a imprensa nem as federações dos outros países que disputaram o torneio de futebol masculino deram tanta importância para o torneio.

6. A única seleção das grandes que seria comandada pelo técnico do time principal era a do Brasil. Só não foi porque Dunga, demitido, deu lugar a Rogério Micale, e Tite, novo técnico do time principal, de maneira muito correta e coerente, preferiu deixar o posto para o treinador que preparou a equipe olímpica no último ano.

Diante dessas indicações, nenhuma seleção tinha mais motivos e compromissos que a nossa para vencer as Olimpíadas. Por falar em técnico, ninguém mais merecedor que Micale, que representa uma nova geração de treinadores, pautados no conhecimento, e não na "boleiragem".

Micale teve dificuldades, é verdade, para acertar o time no começo da competição. Tite, mais experiente e com mais jogo de cintura, teve que intervir, não na escalação, mas no comportamento dos atletas após um mal início em que não conseguiu marcar gols nos dois primeiros jogos. Micale teve a percepção de mudar o esquema tático e encontrou em Luan o pulo do gato. O atacante do Grêmio exerceu uma movimentação constante com Neymar na faixa central do ataque. O craque do Brasil, assumiu a responsabilidade não só de driblar e finalizar, como são suas características, mas também de armar as jogadas e colaborar com o meio-campo. Felipão tentou fazer isso na Copa. Mas Fred não voltava nem dois metros para marcar, o que deixava um vazio na equipe. Gabriel Barbosa, o Gabigol, e Gabriel Jesus, pelas pontas, grandes promessas do futebol brasileiro, brilharam, embora não em todos os jogos, e são cada vez mais realidade.

Outros destaques foram o goleiro Weverton, os zagueiros Marquinhos e Rodrigo Caio e o meia Renato Augusto. Eles demonstraram muita qualidade e comprometimento e ganharam confiança e pontos com o técnico Tite. Não à toa foram convocados para as próximas rodadas das Eliminatórias. Assunto que trataremos mais adiante.

Apesar de ter assumido a liderança técnica e o protagonismo que se espera, Neymar deixou sua esperteza somente dentro das quatro linhas. Fora de campo, foi infeliz nas declarações e no comportamento. Frases como "vão ter que me engolir", discussões com torcedores e recusas de autógrafos e fotografias com fãs só servem para jogar um banho de água fria na euforia que ele mesmo causa nos brasileiros com seus belos lances e gols.


A humildade demonstrada por Neymar ao desabar em lágrimas na cobrança o pênalti que deu a medalha de ouro inédita ao Brasil contrasta com sua arrogância nas entrevistas e no comportamento diante dos fãs - Foto: Ricardo Stuckert (CBF)



Nenhum comentário:

Postar um comentário